sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

LINKS, HISTÓRICO, RELEASE PEDRINHO CALLADO


BIOGRAFIA

PEDRINHO CALLADO

Pedrinho Callado compositor, arranjador, músico, produtor musical e ativista cultural, amazônico, paraense, nascido em Belém do Pará, estudou música  na UFPA e frequentou cursos e workshop’s de Yan Guest, Maestro Nelson Freire, Nelson Faria, Delia Fischer. Callado tem uma vivencia musical latente, com inúmeras influências culturais e vários gêneros, mas sempre preocupou-se com a qualidade tanto da composição como dos arranjos, porém não possui rótulos e nem classifica seu trabalho.

FESTIVAIS DE MÚSICA

No ano de 1988, em sua primeira inserção ficou em primeiro lugar no festival do colégio Moderno em Belém/PA. No decorrer das décadas de 1990 e 2000 Foi premiado nos festivais mais importantes do Pará, e ainda  Bienal de Música de Belém, Festival de Música dos Servidores do Estado do Pará (SERVFEST), Fecam-Marabá-PA, Festival de Ourém, Festival de Carimbó de Marapanim-PA e foi primeiro lugar em no Festival de Música de Santarém Novo/PA, entre outras dezenas de prêmios Brasil afora como os primeiros lugares em São Paulo, Minas Gerais, Espirito Santo, Pernambuco, Maranhão, Amazonas e Goiás e ainda Representou o Estado da Bahia no Festival da Rede Globo-Nordeste.
                                                     
ETNOMÚSICA

         Em 2004 nasce o primeiro cd de Pedrinho Callado por meio da Bolsa de Criação Artística do IAP/PA, com a qual o músico foi contemplado surgindo o projeto “Etnomúsica”, que também intitula o CD resultante da pesquisa artística. Etnomúsica se refere à música que é resultado do encontro da cultura afro-indígena sob influência dos colonizadores portugueses. No CD, Pedrinho fez um registro das músicas de domínio público e das suas composições (letra e música), ainda traz ainda um encarte com todo o referencial teórico, o que será também uma importante fonte de pesquisa.
No repertório estão músicas como “Sábios” (lundu), de Pedrinho Callado e Dand M; “Retumbão do Verequete” (retumbão), de Verequete; “Marambiré” (marambiré), de Beto Paixão; “Siriá” (siriá), domínio público; “Promessa do boi” (boi bumbá), de Pedrinho Callado; “Çairé” (çairé), domínio público e outras composições do músico e outros paceiros.

COMPOSITOR

Possui dezenas de composições gravadas por muitos outros cantores como: Lucinnha Bastos, Simone Almeida, Gonzaga Blantez (AM), Pepysho Neto (PB), Alba Maria, Eleny Galvan (MG), Olivar Barreto, Jacely Duarte, Dayse Addario, Ivânia Catarina (MG), Lucio Mouzinho, Nazaré Pereira,  Marcelo Dias (AP), Renato Lu, Karina Ninni (SP), Banda Normandia (RO), Negro de Nós (AP) em seu cd ETNOMÚSICA tem Marco André, Vital Lima, Any Lima e Lula Barbosa(SP), Eudes Fraga, Mestre Verequete, Mestre Curica e Zé Miguel (AP).

HUM-HUM!...

CD lançado em 2009, centrado no carimbó e talvez isto explique o fato de ser um disco bastante percussivo. Além da música "carimbozinho" que abre o disco e apresenta um discurso incidental sobre a origem do carimbo, a segunda música "De Banjo na Mão" cita o Mestre Lucindo e a sua influência sobre a musica de Pedrinho, depois vem o belo canto "Ponto de Mariana" até chegar na "Ilha de Marajó" do Mestre Verequete.Pedrinho, além de compositor é também um ótimo letrista, apesar da música que dá título ao CD "Hum-Hum!..." ser uma parceria com o poeta Juracy Siqueira. O disco também tem as participações importantes de Lula Barbosa, Eudes Fraga e Mestre Curica.

TOQUE DE MESTRE (filme/documentário)

Idealizado e baseaso na pesquisa de Pedrinho Callado, o Projeto Toque de Mestre, produzido pela Central de Produção, é um filme/documentário que surgiu da observação de que os grupos de carimbó da região do Salgado tinham pouco ou nenhum registro fonográfico e audiovisual. Apaixonado pelo carimbó, Pedrinho Callado escreveu este projeto que fez a gravação 1 CD com 20 faixas, sendo 1 faixa por grupo registrando assim 20 grupos de carimbó desta região. Callado ainda direção musical do projeto do Filme e cd TOQUE DE MESTRE em 2010.

ARRANJOS E PRODUÇÕES:

Participou como arranjador dos Cd’s: 60 anos do Banco da Amazônia, Made in Pará, BASA-Quinta Cultural, Canto Pela Terra (MST) e dos cantores: Felipe Cordeiro,  Mário Mouzinho, Nazaré Pereira, Fabrício dos Anjos, Karina Ninni, Lucinha Bastos com José Maria Villar,  Edson Abreu, Anny Lima, Silvia Tavares, Zé Valdir, Álvaro Kamara, Ivan Cardoso, Lucio Mouzinho,

SHOWS E APRESENTAÇÕES

Seu primeiro show foi no final da década de 80 em Belém do Pará, no decorrer de sua carreira apresentou-se ao lado de nomes como Pedrinho Cavallero, Manoel Cordeiro, Ziza Padilha, Adilson Alcântara, Zé Miguel, Amadeu Cavalcante, Ivan Cardoso, Simone Almeida, Lucio Mouzinho, Nazaré Pereira, tocou no mesmo palco que grandes nomes com Lula Barbosa, Natan Marques, Xangai, Emilio Santiago, Luis Ayrão, Angela Rô Rô.

TRILHAS SONORAS

Elaborou várias trilhas para cinema como: Arvore da Benção com participação da premiada atriz Dira Paes, produzido por Eliane Ferreira; Sou Teu Maninha curta gravado na Ilha do Marajó (MINC), Cartas da Irmã Doroth (com o ator Wagner Moura e Padre Fabio de Melo), Cabelo Seco com Milton Rocha, Além da Idealização e direção musical do projeto do Filme e cd TOQUE DE MESTRE em 2010 onde fez a pesquisa e produção. Além de TRILHAS PUBLICITÁRIAS: Trabalhos para campanhas politicas, além jingles para Radio Cultura, prefeituras e diversos outras produções.

Links de vídeos, músicas e fotos.

LINKS:
Filme documentário
Show no Pier (vídeo)
Blog, tem opções de donwload (dois cds e o filme)
2 músicas novas
Baixar meu primeiro cd ETNOMUSICA 2004
Baixar meu cd HUM-HUM! 2009/2009



quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

O QUE É MÚSICA DE QUALIDADE (MDQ)?



     Tecnomelody (Tecnobrega) é uma forma de arte que se apropria de samples e loops na construção das batidas para o aprimoramento de um gênero genuinamente do Pará. Começa apartir deste século, com uma enorme referência melodica no chamado Brega Romântico (Ted Max, Alipio Martíns, Ditão e muitos outros) que se atualizou e processou para uma estética própria e envolvente, com várias características como: bpm (batidas por minuto) bem acelerado, interferências na velocidade da voz, uma típica música eletrônica, com contribuição do Trance evidente nas batidas (gênero é caracterizado pelo tempo entre 130 e 160 bpm, oriundo do Tecno e do House, surgido na Alemanha na decada de 90), com um volumes altos perto de 100 decibés (um capítulo a parte que em breve falaremos)
Imitado por vários grupos Brasil afora (inclusive alguns se dizendo criadores e donos desta expressão), alguns autores falam que existe alguma celula do carimbó, sinceramente não consigo identificar, mas do que importa? Já que ele é um grande sucesso!
Tenho visto pessoas falarem com muito preconceito, parece que a música “BOA” é aquela que já passou ou foi feita no passado (com aquele maxima muito duvidosa: antigamente era melhor!) Incrível como o processo se repete, os samples para algumas pessoas é algo destruidor, assim como as distorções na guitarra quando surgiram causaram um grande frisson, já na Idade Media determinadas combinações de notas musicais eram consideradas diabólicas que hoje em dia faz parte música do mundo.
O fato é que tudo novo que surge gera uma certa rejeição, acho que tem pessoas que podem até não gostar do Tecnomelody, tudo bem, mas também não podemos dizer que é assado ou cozido, cada um entende a função da música de forma diferente, os Povos Originais entendem como ritual, os MPBzeiros adoram a combinação das dissonâncias com melodias menos repetitivas, outros gostam do carimbó em sua forma orgânica, o pessoal do forró, funk carioca, tecnomelody preferem músicas com refrões fortes que se repetem e geralmente servem para dançar ou se expressar com algum símbolo, que caracteriza-se com signo de sua tribo (no tecnomelody é chamado de galera), tem pessoas que curtem todas os gêneros de acordo com sue estado de espírito.
Daí a pergunta que não quer calar! O que é música de qualidade afinal? Acho que é aquela que voce gosta, contudo para a maioria dos jamaicanos é Reggae com suas harmonias óbvias e um groove de baixo presente, para outros a Bossa Nova com harmonias sofisticada, quem sabe o Jazz cheio de armadilhas harmonicas, o samba com seu swing evidente, e quem falou que o sotaque da guitarrada com seus acordes sequenciais e sua melodia apimentada não teria qualidade? Quem sabe a qualificação pode estar deiretamente ligada ao som, ou a afinação, no entanto quantos comas estabeleu-se que é desafinação, para estabelecer que esta ou aquela música é ruim, boa ou desqualificada?
Na músicalidade, a tristeza, melancolia, quadrado, pobre, não quer dizer inferior, ou melhor! Contudo existem textos que nos deixa intrigados, que beira a apologia tanto as drogas, pedofilia e etc, porem são limiares complexos que os compositores do gênero tem obrigação de estarem atentos.
Tenhamos a coragem para debater mais sobre o tema, e deixar o preconceito de lado e tratar os músicos deste gênero com o respeito que merecem, quem não gosta tem que ser respeitado também, mas fato é que o Tecnomelody poderá ser utilizado como instrumentos de transformação social, já que ele atinge a população, principalmente, as mais carentes. Compositores mão na massa! Por isso que esta discussão sobre MÚSICA DE QUALIDADE (MDQ) já começa errado, pois não é um acorde complexo isolado que vai qualificar mais uma melodia, portanto ninguém sistematizou, e por sua vez nem normatizou, o que é de fato é MDQ?

Pedro Callado
Belém/março 2011
  


Pedrinho Callado   Compositor - Músico - Produtor Musical Nascido em Belém, é compositor, arranjador, músico, produtor musical...